soldagem com eletrodo revestido: 10 informações importantes

O Processo de Soldagem com Eletrodo Revestido é um dos mais usados do mundo, devido á sua versatilidade e acessibilidade para Soldadores em início de carreira ou em estágio mais avançado.

A soldagem com eletrodo revestido é uma das técnicas mais utilizadas na indústria devido à sua versatilidade e baixo custo. No entanto, essa técnica também apresenta alguns desafios que podem afetar a qualidade e eficiência da solda. Neste artigo vamos mostrar as 10 características essenciais desta categoria de Soldagem e como ela agrega nos projetos da empresa e no desenvolvimento do profissional.

Como é o processo de soldagem com eletrodo revestido?

A soldagem com eletrodo revestido é um processo que une dois pedaços de metal fundindo-os juntos. Um eletrodo revestido é usado para criar um arco elétrico que funde o metal base e o eletrodo. O metal fundido então se solidifica, formando uma junta forte.

O revestimento do eletrodo é composto por uma mistura de materiais que podem incluir pó de ferro, pó de titânio, dióxido de silício, carbonato de cálcio, entre outros. O revestimento é responsável por fornecer uma série de funções importantes durante o processo de soldagem, como proteger a poça de fusão da contaminação do ar, fornecer escória para proteger o metal base enquanto esfria e formar uma camada de fluxo que melhora a qualidade da solda.

Para iniciar o processo de soldagem, o soldador deve primeiro preparar o metal base e o eletrodo revestido. O metal base deve ser limpo e preparado adequadamente, removendo qualquer tipo de impureza ou oxidação. O eletrodo revestido deve ser selecionado de acordo com as propriedades do metal base, a espessura da peça a ser soldada e a posição de soldagem.

Uma vez que o metal base e o eletrodo revestido estão prontos, o soldador pode iniciar o arco elétrico, geralmente com a ajuda de um dispositivo de ignição. O soldador deve controlar a velocidade de avanço do eletrodo revestido, bem como a distância entre o eletrodo e o metal base, para obter uma solda uniforme e de alta qualidade. Após a conclusão da soldagem, a escória pode ser removida para expor a junta soldada e inspecionar a qualidade da solda.

1 – CONSUMÍVEIS

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

A soldagem com eletrodo revestido é um processo versátil que pode ser usado para unir quase todos os metais, exceto alguns metais refratários ou muito reativos. Para garantir uma boa solda, é importante escolher o eletrodo correto para o metal de base.

2 – METAL DE BASE

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

O Aço Carbono é o material mais comum na indústria, na parte de serralheria, caldeiraria, tubulação, dentre outros, ele exige um cuidado na escolha para que o consumível seja compatível com o metal de base.

3 – DIÂMETRO

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Após ter selecionado o metal de base e o processo, o Eletrodo deve ser selecionado para aplicação e o primeiro de tudo, selecionar o diâmetro do eletrodo, em sua maioria, o diâmetro mais usado para aplicação é de 2,5 a 3,25 mm.

Cada variação de diâmetro para o processo de Eletrodo Revestido, exige uma especificação de potência que é recomendada pelo fabricante, ou seja, a potência mínima e máxima em relação ao diâmetro do consumível que será utilizado.

4 – AMPERAGEM

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

No Sistema Internacional de Unidades, o ampere é a unidade de medida da corrente elétrica. Ele representa a quantidade de energia que uma bateria pode armazenar e fornecer para um equipamento de soldagem a cada hora.

A amperagem é um termo quando se refere à corrente, enquanto o termo tensão se refere à voltagem. O termo  simples, pode dizer “amperagem”, mas se precisar respeitar os termos técnicos, também será usado o termo ‘corrente’

Então seguindo o exemplo trazido no artigo Um eletrodo com 2,5 mm de diâmetro deve ser aplicado com a amperagem recomendada de 60-100 amperes de acordo com a especificação do fabricante.

Após ter selecionado o consumível correto e o processo para aplicação, você deve fixar o eletrodo ao alicate de aplicação.

5 – APLICAÇÕES

soldas especiais
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Para uma aplicação bem sucedida, recomenda-se de que o posicionamento do soldador com o alicate de eletrodo, esteja em paralelo com a peça a ser soldada, entre 15º e 25º

6 – DISTÂNCIA

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Em relação ao afastamento do ponto soldado, recomenda-se que a distância do equipamento para a superfície seja equivalente ao diâmetro da alma do eletrodo, não pode ser superior a isso.

Pode ser aplicada tanto uma solda afogada, que é a ponta do eletrodo encostando na peça como pode ser feita com a ponta do eletrodo próximo, dentro do limite máximo de afastamento, ou conforme o exemplo citado, 2,5mm.

7 – MIG

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Ao preparar o equipamento para Soldagem MIG, deve ser feita a regulagem do equipamento, ou seja, aplicar a corrente ou amperagem no recomendado pelo fabricante.

8 – EPI

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Antes da aplicação, é indispensável o uso dos EPI’s para proteção do profissional responsável. Para o processo de Soldagem com eletrodo Revestido, o mais indicado é:

  • Mascara de Solda;
  • Luva de raspa;
  • Perneira;
  • Botina industrial;
  • Óculos de segurança.

9 – CUIDADOS COM O ELETRODO

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Na aplicação do processo de eletrodo revestido, evite a todo custo, bater o eletrodo na base a ser soldada, faça um movimento contínuo semelhante a riscar um fósforo.

10 – PÓS-APLICAÇÃO

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
(Clique para ampliar a imagem)

Após ter formado o arco na área de aplicação, confira a qualidade do arco, a penetração e também se a potência aplicada, foi ideal e aguarde baixar a temperatura da área soldada. O tempo de resfriamento depende da temperatura do material.

Importante: O processo de resfriamento em alguns casos é aplicado inserindo o corpo de prova na água, porém não é indicado esse método em corpo de prova, muito menos indicado para peças, pois o resfriamento brusco do material pode gerar um choque térmico causando trinca no material soldado.

Outro ponto importante é verificar a escória, que nada mais é do que um resíduo que provém da fusão aplicada, ela se localiza acima do cordão de solda e é fundamental a sua verificação.

Então após baixar a temperatura, use uma picadeira para retirar o excesso de escória (usando o óculos de segurança) e depois utilize uma escova apropriada para eliminar o restante da escória e verificar a qualidade do cordão de solda formado.

Após a verificação, o arco já está finalizado deve ser encaminhado para verificar a sua resistência em um ensaio.

A INSPESOLDA está com vagas disponíveis para o curso de Soldador Nível 1 processo de Eletrodo revestido, com profissionais qualificados para o ensino. Se inscreva clicando aqui.

DESAFIOS DA SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com Eletrodo Revestido
(Clique para ampliar a imagem)

A soldagem com eletrodo revestido apresenta alguns desafios que precisam ser superados para garantir uma solda de qualidade. Um dos principais desafios é o controle da umidade do revestimento do eletrodo. O excesso de umidade pode causar problemas como porosidade, trincas e inclusões na solda. Para minimizar esse problema, é necessário armazenar os eletrodos em um ambiente seco e aquecido antes de usar.

Outro desafio é a escolha do tipo de eletrodo revestido adequado para a aplicação específica. Cada tipo de revestimento tem características diferentes, e é importante escolher o tipo certo para obter a melhor qualidade de solda possível. Além disso, é importante seguir as especificações do fabricante em relação ao tamanho do eletrodo, corrente e tipo de polaridade a ser utilizado.

A soldagem com eletrodo revestido também pode apresentar desafios relacionados à técnica de soldagem. Por exemplo, a estabilidade do arco pode ser difícil de controlar, especialmente para soldadores menos experientes. A soldagem em posições difíceis também pode ser um desafio, pois a gravidade pode fazer com que o metal de solda escorra ou caia antes de solidificar.

Por fim, é importante lembrar que a soldagem com eletrodo revestido requer muita prática e experiência para ser realizada corretamente. Os soldadores precisam estar cientes dos desafios e saber como superá-los para obter uma solda de qualidade.

POROSIDADE

Um dos desafios mais comuns na soldagem com eletrodo revestido é a porosidade. Os poros são pequenas bolhas de gás que ficam presas na solda e podem enfraquecê-la. A porosidade é causada principalmente por um excesso de umidade no eletrodo, o que libera gases durante a soldagem. Para superar esse desafio, é importante armazenar os eletrodos em local seco e aquecê-los antes do uso para remover a umidade.

Existem várias causas para a porosidade em soldagem com eletrodo revestido, incluindo:

  • Contaminação do metal base: Se o metal base contiver sujeira, óleo ou outros contaminantes, isso pode levar à porosidade.
  • Umidade no eletrodo: A umidade no eletrodo pode causar porosidade na solda. Isso ocorre porque o hidrogênio presente na umidade é absorvido pelo metal de solda durante o processo de soldagem.
  • Problemas com o fluxo do gás de proteção: Se o gás de proteção não for fornecido corretamente, isso pode levar à entrada de ar e formação de porosidade.
  • Problemas com a técnica de soldagem: se a técnica de soldagem não for adequada, isso pode levar a problemas de porosidade.
  • Seleção inadequada do eletrodo: o uso de um eletrodo revestido inadequado para a aplicação pode levar à porosidade.

Para evitar porosidade em soldagem com eletrodo revestido, é importante garantir que o metal base esteja limpo e livre de contaminantes. Além disso, é importante garantir que o eletrodo esteja seco e que a técnica de soldagem seja adequada. Também é importante escolher o eletrodo correto para a aplicação específica. A utilização de um gás de proteção adequado pode ajudar a minimizar a entrada de ar e reduzir a formação de porosidade.

FALTA DE FUSÃO

Outro desafio comum na soldagem com eletrodo revestido é a falta de fusão, que ocorre quando a solda não é completamente derretida e fundida com o metal base. Isso pode acontecer devido a uma corrente de soldagem inadequada ou um ângulo de soldagem incorreto. Para superar esse desafio, é importante ajustar corretamente a corrente de soldagem e o ângulo de soldagem para garantir uma fusão adequada. Há vários fatores que podem causar isso, incluindo:

  • Ajuste incorreto da corrente de soldagem: A corrente de soldagem é um fator importante para a qualidade da solda. Uma corrente muito baixa não é suficiente para fundir o metal de solda e o metal base, resultando em uma solda fraca ou inexistente. Uma corrente muito alta pode levar à formação de respingos, porosidade e fissuras na solda.
  • Velocidade de soldagem inadequada: Uma velocidade muito baixa permite que a poça de fusão esfrie e solidifique antes que o metal de solda possa se fundir adequadamente com o metal base, enquanto uma velocidade muito alta pode não permitir que o metal de solda seja depositado corretamente.
  • Preparação inadequada da junta: Superfícies de junta sujas, oxidadas, contaminadas ou mal ajustadas podem interferir na fusão adequada do metal de solda e do metal base.
  • Eletrodo inadequado: O tipo de eletrodo utilizado também pode influenciar na falta de fusão. Se o eletrodo não tiver a composição ou tamanho adequados, ele pode não fundir corretamente com o metal base.

Para evitar a falta de fusão na soldagem com eletrodo revestido, é importante garantir que a corrente e a velocidade de soldagem estejam ajustadas corretamente, que a junta esteja preparada adequadamente e que o eletrodo seja selecionado de acordo com as especificações da solda. Além disso, a técnica de soldagem adequada, incluindo a manipulação do eletrodo, deve ser usada para garantir uma fusão adequada.

TRINCA A FRIO

A trinca a frio é uma rachadura que ocorre na solda após o resfriamento. Esse desafio pode ser causado por uma rápida taxa de resfriamento, excesso de tensão residual ou um material de base inadequado. Para superar o desafio de evitar trincas na solda, é importante utilizar materiais de base adequados e controlar a taxa de resfriamento da peça soldada. Isso pode ser feito por meio do pré-aquecimento e pós-aquecimento da peça.

  • Escolha inadequada do eletrodo: a escolha do eletrodo é crucial para evitar a trinca a frio. Eletrodos de baixo hidrogênio (HDM) são recomendados para materiais com maior suscetibilidade à trinca a frio.
  • Pré-aquecimento inadequado: o pré-aquecimento é uma técnica importante para minimizar as tensões residuais e evitar a trinca a frio. Falhas na aplicação de pré-aquecimento podem contribuir para o aparecimento de trincas.
  • Corrente de soldagem excessiva: correntes de soldagem muito altas podem aumentar a taxa de resfriamento, levando à formação de trincas. É importante seguir as recomendações do fabricante do eletrodo para a corrente de soldagem adequada.
  • Escolha inadequada do método de soldagem: A soldagem por pontos pode causar trincas a frio, que são rachaduras que se formam no metal quando ele está frio. É importante escolher o método de soldagem adequado para minimizar esse risco.
  • Tratamento térmico inadequado: o tratamento térmico pós-soldagem é essencial para minimizar as tensões residuais e evitar a trinca a frio. Falhas no tratamento térmico adequado podem contribuir para o aparecimento de trincas.

Para evitar a trinca a frio na soldagem com eletrodo revestido, é importante seguir as boas práticas de soldagem e garantir uma seleção adequada de materiais e parâmetros de soldagem. Além disso, a inspeção visual e ensaios não destrutivos podem ser usados para detectar a presença de trincas e outras descontinuidades.

SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO: ESSENCIAL PARA INICIANTES

soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com Eletrodo Revestido
(Clique para ampliar a imagem)

A soldagem com eletrodo revestido é geralmente indicada para iniciantes por algumas razões. Primeiramente, é um processo relativamente simples e de baixo custo em comparação com outros métodos de soldagem. Além disso, os equipamentos necessários são relativamente simples e fáceis de manusear, tornando a soldagem com eletrodo revestido mais acessível para aqueles que estão começando.

Outra razão pela qual a soldagem com eletrodo revestido é indicada para iniciantes é porque este processo permite que o soldador tenha maior controle sobre o cordão de solda e o processo de soldagem em si. Com o eletrodo revestido, é possível ajustar a corrente e a polaridade para controlar a penetração do metal de solda e a formação do cordão de solda.

A soldagem com eletrodo revestido é uma habilidade valiosa para os soldadores iniciantes aprenderem, pois é amplamente utilizada em muitas aplicações industriais. Dominar a técnica de soldagem com eletrodo revestido pode abrir portas para novas oportunidades de emprego e progressão na carreira.

Em resumo, a soldagem com eletrodo revestido é uma técnica versátil e de baixo custo, mas que também apresenta desafios como porosidade, falta de fusão, trinca a frio e baixa produtividade. Para superar esses desafios, é importante tomar medidas preventivas como o armazenamento adequado dos eletrodos, o ajuste correto da corrente de soldagem e o controle da taxa de resfriamento. Além disso, a qualificação adequada dos operadores e o planejamento da produção também são essenciais para garantir a qualidade e eficiência da soldagem com eletrodo revestido.

VOCÊ ESTÁ PRECISANDO DE SUPORTE PARA SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO?

Portanto, se você tem interesse em Soldagem com Eletrodo Revestido, ou precisa apenas de um orçamento para um determinado projeto, estamos aqui para ajudar.

FAQ SOBRE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

O QUE SIGNIFICA O ELETRODO REVESTIDO?

soldagem com eletrodo revestido

Eletrodo revestido é um elemento consumível usado para soldagem por arco elétrico. É composto por um núcleo metálico, chamado alma, envolvido por um revestimento composto de matérias orgânicas e/ou minerais, com dosagens bem definidas.

ONDE SE APLICA A ELETRODO REVESTIDO?

soldagem com eletrodo revestido

Construção;
Fabricação;
Manutenção;
– Soldagem debaixo d’água;
– Soldagem de aço inoxidável;
– Soldagem de alumínio.

QUAL É A FUNÇÃO DE UM ELETRODO?

soldagem com eletrodo revestido

A função de um eletrodo é fornecer corrente elétrica e metal de adição ao processo de soldagem.
Um eletrodo é um material condutor que é usado para criar um arco elétrico entre duas peças metálicas que estão sendo soldadas. O arco elétrico é uma descarga elétrica que gera calor intenso, capaz de fundir os metais e permitir a união entre eles.

COMO IDENTIFICAR O ELETRODO REVESTIDO?

soldagem com eletrodo revestido

Os eletrodos revestidos são identificados por uma marcação que contém uma letra e quatro números. A letra indica o tipo de metal de solda que o eletrodo produz, e os números indicam o limite de resistência do metal de solda.
A letra que identifica o tipo de metal de solda é a seguinte:
E: Aço carbono
R: Aço inoxidável
A: Alumínio
Cu: Cobre

QUAL O ELETRODO MAIS USADO?

soldagem com eletrodo revestido

O eletrodo mais usado é o eletrodo rutílico. Os eletrodos rutílicos são fáceis de usar e produzem soldas de boa qualidade. Eles são adequados para uma variedade de aplicações, incluindo a soldagem de chapas finas, chapas grossas e juntas de ângulo.

PODCAST: SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

Cansou de ler? Confira nosso podcast sobre Soldagem com Eletrodo Revestido
soldagem com eletrodo revestido
Clique na imagem e confira nosso vídeo sobre Soldagem com Eletrodo Revestido

ENTRE EM CONTATO!

Entre em contato para saber mais sobre nossos serviços.

Escolha o meio de contato que for melhor para você!

QUER CONTINUAR INFORMADO?

Gostaria de ficar por dentro de todas as novidades que pulicamos em nosso site?

Faça sua inscrição e receba nossos e-mails com conteúdos de qualidade sobre inspeção, qualificação, consultoria, engenharia e treinamento de soldagem.

CONHEÇA O GLOSSÁRIO DA SOLDAGEM

REGIÕES DE ATENDIMENTO INSPESOLDA

A Inspesolda atende em todo o território nacional. Entretanto, com sede em Osasco, a Inspesolda tem o foco de atuação no estado de São Paulo.

REGIÕES DE SÃO PAULO ONDE A INSPESOLDA ATENDE:

Grande São Paulo

  • ABC
  • ABCD
  • Alphaville
  • Arujá
  • Barueri
  • Caierias
  • Cajamar
  • Cotia
  • Diadema
  • Embu
  • Embu das Artes
  • Embu Guaçú
  • Franco da Rocha
  • Guarulhos
  • Itapecerica da Serra
  • Itapevi
  • Jandira
  • Mairiporã
  • Mauá
  • Osasco
  • Ribeirão Pires
  • Santana de Parnaíba
  • Santo André
  • São Bernardo do Campo
  • São Caetano do sul
  • Suzano
  • Taboão da Serra

Litoral de São Paulo

  • Bertioga
  • Cananéia
  • Caraguatatuba
  • Cubatão
  • Guarujá
  • Iguape
  • Ilha Comprida
  • Ilhabela
  • Itanhaém
  • Mongaguá
  • Peruíbe
  • Praia Grande
  • Riviera de São Lourenço
  • Santos
  • São Sebastião
  • São Vicente
  • Ubatuba

Região Central

  • Aclimação
  • Bela Vista
  • Bom Retiro
  • Brás
  • Cambuci
  • Centro
  • Consolação
  • Higienópolis
  • Glicério
  • Liberdade
  • Luz
  • Pari
  • República
  • Santa Cecília
  • Santa Efigênia
  • Vila Buarque

Zona Leste

  • Água Rasa
  • Anália Franco
  • Aricanduva
  • Artur Alvim
  • Belém
  • Cidade Patriarca
  • Cidade Tiradentes
  • Engenheiro Goulart
  • Ermelino Matarazzo
  • Guianazes
  • Itaim Paulista
  • Itaquera
  • Jardim Iguatemi
  • José Bonifácio
  • Moóca
  • Parque do Carmo
  • Parque São Lucas
  • Parque São Rafael
  • Penha
  • Ponte Rasa
  • São Mateus
  • São Miguel Paulista
  • Sapopemba
  • Tatuapé
  • Vila Carrão
  • Vila Curuçá
  • Vila Esperança
  • Vila Formosa
  • Vila Matilde
  • Vila Prudente

Zona Norte

  • Brasilândia
  • Cachoeirinha
  • Casa Verde
  • Imirim
  • Jaçanã
  • Jardim São Paulo
  • Lauzane
  • Paulista
  • Mandaqui
  • Santana
  • Tremembé
  • TucuruviVila
  • Guilherme
  • Vila Gustavo
  • Vila Maria
  • Vila Medeiros

Zona Oeste

  • Água Branca
  • Bairro do Limão
  • Barra Funda
  • Alto da Lapa
  • Alto de Pinheiros
  • Butantã
  • Freguesia do Ó
  • Jaguaré
  • Jaraguá
  • Jardim Bonfiglioli
  • Lapa
  • Pacaembú
  • Perdizes
  • Perús
  • Pinheiros
  • Pirituba
  • Raposo Tavares
  • Rio Pequeno
  • São Domingos
  • Sumaré
  • Vila Leopoldina
  • Vila Sonia

Zona Sul

  • Aeroporto
  • Água Funda
  • Brooklin
  • Campo Belo
  • Campo Grande
  • Campo Limpo
  • Capão Redondo
  • Cidade Ademar
  • Cidade Dutra
  • Cidade Jardim
  • Grajaú
  • Ibirapuera
  • Interlagos
  • Ipiranga
  • Itaim Bibi
  • Jabaquara
  • Jardim Ângela
  • Jardim América
  • Jardim Europa
  • Jardim Paulista
  • Jardim Paulistano
  • Jardim São Luiz
  • Jardins
  • Jockey Club
  • M’Boi Mirim
  • Moema
  • Morumbi
  • Parelheiros
  • Pedreira
  • Sacomã
  • Santo Amaro
  • Saúde
  • Socorro
  • Vila Andrade
  • Vila Mariana

ENCONTRE ARTIGOS

CATEGORIAS DE ARTIGOS

TOP 5 ARTIGOS

1- Inspetor de Solda: O Guia Absolutamente Completo!

2 – Símbolos Básicos de Soldagem

3 – Tipos de Inspeção de Soldagem: Tudo que Você Precisa Saber

4 – A Verdade Sobre Qualificação de Soldadores AWS D1.1

5 – NR-18 Progresso Importante na Segurança Preventiva

ARTIGOS RECENTES

  • Análise De Trinca Na Solda

    COMO REALIZAR UMA ANÁLISE DE TRINCA NA SOLDA E GARANTIR A INTEGRIDADE DAS ESTRUTURAS Na

  • O Que Significa Mig

    DESCOBRINDO O QUE SIGNIFICA MIG: TUDO SOBRE A SOLDAGEM MIG Mergulhar no mundo da soldagem

  • Radiografia Industrial

    RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: O GUIA DEFINITIVO PARA INICIANTES A radiografia industrial emerge como uma ferramenta inestimável

  • Laudo de Ultrassom

    A IMPORTÂNCIA DO LAUDO DE ULTRASSOM EM INSPEÇÕES NÃO DESTRUTIVAS LAUDO DE ULTRASSOM Você já

  • Junta Sobreposta

    A IMPORTÂNCIA DA JUNTA SOBREPOSTA EM APLICAÇÕES INDUSTRIAIS JUNTA SOBREPOSTA Você já parou para pensar

Compartilhe!

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe em sua rede social preferida.

Os arquivos nesta página são protegidos por direitos autorais. Sem a autorização do autor, é proibido copiar todo ou parte de seu conteúdo, ou mesmo citar nossos links. Artigo 184 da Lei Penal, Declaração de 98-Art 9.610 como violação dos direitos de propriedade intelectual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

All in one
Fale conosco
Rolar para cima