SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO: ESSENCIAL PARA A PRODUTIVIDADE

A Soldagem a Arco Submerso (SAS) é um método inovador e essencial para a produtividade na fabricação industrial, oferecendo uma união de metais rápida e de alta qualidade. Este processo, caracterizado pela criação de um arco elétrico sob uma camada de fluxo, não só garante uma solda de excelente qualidade devido à proteção contra a atmosfera, mas também promove uma operação eficiente com altas taxas de deposição. Sua capacidade de minimizar a necessidade de trabalhos posteriores e reduzir a incidência de defeitos torna a Soldagem a Arco Submerso uma técnica valiosa, especialmente para projetos de grande escala que demandam precisão e eficiência.

Além dos benefícios técnicos, a Soldagem a Arco Submerso traz vantagens econômicas, aumentando a eficiência operacional e reduzindo custos e tempo de inatividade. Esta metodologia se mostra particularmente vantajosa em indústrias que enfrentam desafios de produção em larga escala, como na construção naval e na fabricação de estruturas metálicas pesadas. Portanto, a Soldagem a Arco Submerso não é somente uma abordagem avançada para a soldagem de materiais; é um componente crítico para manter a competitividade e atingir altos padrões de produtividade no ambiente industrial moderno.

HISTÓRICO DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

Desenvolvido em 1935 nos Estados Unidos, o processo de Soldagem a Arco Submerso foi uma resposta à crescente demanda da indústria naval por métodos de soldagem que combinassem alta produtividade com qualidade superior. Este método se distingue de outros, como a soldagem a arco de argônio, por suas características únicas. Na década de 1940, o processo foi adaptado e expandido para acomodar novos materiais e aplicações, mantendo suas qualidades fundamentais, mas incorporando inovações para atender a requisitos específicos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Soldagem a Arco Submerso se tornou uma das principais técnicas empregadas nos Estados Unidos, facilitando a fabricação em larga escala de equipamentos militares, desde navios de guerra e submarinos até aviões e veículos terrestres. Em estaleiros, essa técnica foi especialmente valiosa, permitindo a soldagem eficiente de chapas de aço para a construção rápida de embarcações militares. A capacidade de produzir em massa com eficácia e eficiência destacou a Soldagem a Arco Submerso como um recurso crucial durante o período bélico.

A aplicabilidade da Soldagem a Arco Submerso estendeu-se além da construção naval, sendo utilizada em projetos significativos de infraestrutura, como pontes e usinas de energia, onde a rapidez e a qualidade da soldagem superaram as técnicas tradicionais. A técnica também desempenhou um papel fundamental na fabricação de armamento e munições, contribuindo para a agilidade e precisão da produção, o que era vital para o esforço de guerra americano.

Em síntese, a Soldagem a Arco Submerso se estabeleceu como um método de soldagem indispensável durante a Segunda Guerra Mundial, impulsionando a capacidade dos Estados Unidos de produzir rapidamente uma vasta gama de equipamentos militares e estruturas críticas, solidificando sua posição como uma técnica fundamental no campo da soldagem industrial.

A TECNOLOGIA DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

A Soldagem a Arco Submerso se destaca pela sua eficiência e viabilidade econômica, especialmente em trabalhos com chapas de grande espessura e emendas extensas. Esta técnica é amplamente adotada em setores como a construção naval, a indústria ferroviária e na produção de turbinas eólicas, devido à sua capacidade de alcançar uma fusão profunda e uniforme. O diferencial do processo de Soldagem a Arco Submerso reside no uso de um fluxo em pó que é automaticamente alimentado ao arco elétrico, promovendo a fusão das peças a serem unidas. Este fluxo forma uma escória sobre o metal fundido, criando uma barreira protetora contra a contaminação atmosférica e garantindo a integridade da solda.

AUTOMATIZAÇÃO NA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

A Soldagem a Arco Submerso tem sido incorporada em diversas frentes de produção ao longo dos anos, desde a fabricação de componentes ferroviários até aplicações variadas na indústria siderúrgica, incluindo tanques e veículos especiais. A seleção do método apropriado de Soldagem a Arco Submerso, seja ele com uso de um único fio ou em configurações tandem, é feita com base nas necessidades específicas de cada projeto. Essa versatilidade e capacidade de adaptação destacam a Soldagem a Arco Submerso como uma técnica avançada, alinhada às exigências de produção modernas e capaz de oferecer soluções customizadas para a obtenção de soldas de alta qualidade.

APLICAÇÕES DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

Na Soldagem a Arco Submerso, forma-se um arco elétrico entre a peça que está sendo trabalhada e a ponta do eletrodo consumível, ambos escondidos sob uma camada de fluxo granulado.. Esse método mantém o arco invisível e protegido da exposição ao ar, utilizando parte do fluxo para formar uma cobertura protetora sobre a solda em fusão, enquanto o excedente não fundido é coletado para reuso.

Durante o processo, os eletrodos são posicionados a uma distância otimizada da superfície de trabalho, criando o arco necessário para a soldagem. Conforme o eletrodo se move ao longo da junção, o fluxo fundido cobre o metal líquido de solda, formando escória que, por ter um ponto de fusão mais baixo, permanece líquida por mais tempo, permitindo que o metal de solda solidifique sob proteção. Essa escória ajuda a proteger o metal de solda recém-formado de reações indesejadas com o ar, prevenindo a formação de óxidos e nitretos que podem comprometer a qualidade da solda. Após o resfriamento, o fluxo não consumido é removido, e a escória, que é densa e vítrea, geralmente se desprende facilmente.

A distribuição do fluxo, feita por gravidade, ocorre independentemente do arco e pode ser ajustada para ser concêntrica ou ligeiramente à frente do eletrodo. Essa particularidade do processo de Soldagem a Arco Submerso permite a utilização de diferentes tipos de arames e composições de fluxo, oferecendo flexibilidade para adaptar a soldagem a necessidades específicas de cada junta.

O processo de Soldagem a Arco Submerso é amplamente aplicado na produção industrial, incluindo a fabricação de vasos de pressão, construção naval, produção de plataformas e tubulações, assim como no revestimento e recuperação de componentes críticos, como cilindros de laminação e rolos para lingotamento contínuo. Graças à sua eficiência e qualidade, a Soldagem a Arco Submerso se torna indispensável para projetos que exigem alto desempenho e durabilidade.

COMPONENTES BÁSICOS DE SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

A Soldagem a Arco Submerso pode ser executada de forma semiautomática, com o operador manuseando a tocha. Contudo, a maximização da produtividade é alcançada quando o cabeçote de soldagem é automatizado, movendo-se através de um mecanismo de arraste. Uma das vantagens marcantes deste processo é a eficiência na utilização do material, com mínimas perdas devido a respingos.

O material consumível mais comum nesse processo é um arame sólido, embora recentemente arames tubulares também tenham sido adotados. A Soldagem a Arco Submerso é predominantemente realizada com equipamentos automáticos, existindo, no entanto, tochas manuais para situações específicas. Para potencializar a produtividade, o uso de múltiplos arames consumíveis é uma prática adotada.

Este processo se destaca pela alta taxa de deposição de metal, sendo ideal para soldar extensões longas e retas, garantindo junções de alta qualidade em posição plana. Sua aplicabilidade estende-se desde a fabricação de vasos de pressão até o uso em estruturas pesadas, reparos e na indústria naval.

A principal restrição da Soldagem a Arco Submerso reside na sua limitação de posições de soldagem, sendo eficaz somente em posições planas ou horizontais. A soldagem horizontal requer o uso de um suporte de fluxo para ser viável, marcando uma limitação técnica do processo.

EXECUÇÃO DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

A Soldagem a Arco Submerso (SAW) é uma técnica de soldagem por fusão destacada por sua eficiência e qualidade superior. Esse processo emprega um arco elétrico gerado entre um fio de solda e o material base, sendo todo o procedimento escudado por um fluxo granulado. Esse fluxo tem a função crítica de proteger tanto o arco elétrico quanto a poça de fusão dos efeitos contaminantes da atmosfera. O processo se desenvolve em etapas bem definidas:

Inicialmente, ocorre a preparação da junta, onde as partes a serem unidas são devidamente alinhadas e fixadas conforme a especificidade da junta. Segue-se o posicionamento preciso do equipamento de soldagem ao longo da junta, ajustado para atender às necessidades específicas da soldagem em questão.

Com o equipamento devidamente ajustado, o próximo passo é a alimentação contínua do fio de solda, que é conduzido pelo equipamento até a junta a ser soldada. Em sequência, aplica-se o fluxo granulado, cobrindo completamente a área a ser trabalhada, garantindo proteção contra a contaminação atmosférica para o arco e a poça de fusão.

A etapa seguinte envolve o acionamento do arco elétrico, estabelecendo uma ponte entre o fio de solda e o material base, resultando na fusão dos materiais e na formação da poça de fusão. À medida que a tocha de soldagem avança ao longo da junta, o fio de solda é alimentado sem interrupção, depositando o metal fundido na poça de fusão.

Durante esse processo, o fluxo granulado ao redor do arco derrete, resfriando e solidificando-se posteriormente para formar uma camada de escória sobre a solda. Esta camada de escória é vital, pois protege a solda recém-formada de qualquer contaminação enquanto auxilia no resfriamento uniforme da solda.

Ao concluir a soldagem da junta, o arco elétrico é desativado e a solda é deixada para esfriar sob a proteção da escória, finalizando o processo. A Soldagem a Arco Submerso se destaca por sua aplicabilidade em projetos que demandam soldas de elevada resistência e qualidade, como na construção naval, tubulações industriais e vasos de pressão, devido à sua alta produtividade e excelência em qualidade.

BENEFÍCIOS DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

A Soldagem a Arco Submerso apresenta diversas vantagens que a posicionam como uma técnica preferencial na indústria da soldagem. Dentre elas, destacam-se a capacidade de alcançar elevadas velocidades de soldagem e impressionantes taxas de deposição, assegurando uma produção eficiente e rápida. Além disso, esta metodologia é reconhecida pela excelente qualidade do metal de solda que produz, garantindo uma união de materiais robusta e durável.

Outro ponto forte da Soldagem a Arco Submerso é a sua facilidade de operação, que permite um controle preciso sobre o processo de soldagem, tornando-o acessível até mesmo para operadores menos experientes. Além da simplicidade de uso, esta técnica oferece um ambiente de trabalho superior e mais seguro, pois o arco elétrico fica completamente coberto pelo fluxo, minimizando a exposição a radiações e fumos nocivos. Essa característica não apenas melhora a segurança do operador, mas também contribui para um local de trabalho mais saudável e agradável. Portanto, a Soldagem a Arco Submerso é altamente valorizada por suas contribuições significativas à eficiência da produção, à qualidade do produto e ao bem-estar no ambiente de trabalho.

LIMITAÇÕES DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

A Soldagem a Arco Submerso, apesar de suas vantagens, enfrenta algumas restrições específicas que limitam sua aplicabilidade. Esta técnica é predominantemente eficaz apenas em posições planas ou horizontais, o que pode ser uma limitação em projetos que exigem soldagem em ângulos variados ou em posições mais complexas. Adicionalmente, é mais adequada para a união de materiais de grande espessura, restringindo seu uso em peças mais finas.

A Soldagem a Arco Submerso também é geralmente confinada a juntas retas, o que pode não ser ideal para todas as aplicações industriais onde juntas de configurações variadas são necessárias. Essas limitações são importantes de se considerar ao escolher a Soldagem a Arco Submerso para aplicações específicas, assegurando que a técnica esteja alinhada com os requisitos do projeto.

CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

Os consumíveis de soldagem a arco submerso são materiais utilizados para realizar a soldagem desse processo, que utiliza um arco elétrico e um fluxo de pó mineral para proteger o arco e o metal fundido. Os principais consumíveis de soldagem a arco submerso incluem:

  1. Arame: O arame de soldagem é o material que é depositado na junta a ser soldada e fundido para formar a união. Os arames de soldagem para o processo de arco submerso são geralmente revestidos com fluxo.
  2. Fluxo: O fluxo é um material granulado que é colocado em torno da junta a ser soldada e é usado para proteger o arco elétrico e o metal fundido da contaminação do ar. O fluxo também ajuda a estabilizar a poça de fusão e a formar uma escória protetora na superfície da solda.
  3. Eletrodo de tungstênio: Em alguns casos, o arco submerso pode ser usado com um eletrodo de tungstênio para soldar materiais de alta liga, como aços inoxidáveis. O eletrodo de tungstênio é uma haste que é usada para criar o arco elétrico, em vez de um arame de soldagem.
  4. Arame de enchimento: O arame de enchimento é usado para preencher espaços entre as soldas e para construir uma espessura adicional na junta a ser soldada. Ele é frequentemente usado para aumentar a resistência da solda e criar uma geometria de junta mais adequada.
  5. Escória: A escória é o material que é formado na superfície da solda durante o processo de arco submerso. Ela ajuda a proteger a solda e a poça de fusão de contaminação do ar e também pode ajudar a resfriar a solda de forma mais uniforme.

ARAME ELETRODO

soldagem a arco submerso
Soldagem a Arco Submerso
(Clique para ampliar a imagem)

Na Soldagem a Arco Submerso (SAW), um elemento chave é o uso de arames eletrodos, que são alimentados de forma contínua para criar a solda na junta de trabalho. Este processo, uma forma de soldagem por fusão, destaca-se pela diversidade de arames eletrodos disponíveis, cada um adequado para diferentes necessidades e aplicações industriais, enfatizando aspectos como a resistência mecânica e a proteção contra a corrosão.

Dentro da ampla gama de arames eletrodos usados na Soldagem a Arco Submerso, encontramos os arames sólidos, fundamentais para trabalhos que demandam soldas com elevada qualidade e robustez, como na construção de embarcações, tubulações e reservatórios sob pressão. Já os arames tubulares, preenchidos com fluxo granular, oferecem uma cobertura atmosférica aprimorada, sendo divididos entre os autoprotegidos (que dispensam fluxo adicional) e aqueles que requerem um fluxo externo para operar.

Por outro lado, os arames revestidos, com cobertura de fluxo em pó, são ideais para projetos de alta produção, ao passo que os arames de ligas especiais, como aço inoxidável ou níquel, atendem às exigências de resistência à corrosão ou mecânica em níveis superiores. Além disso, existem arames específicos para reparos, projetados para corrigir soldas com defeitos, mantendo a consistência com o material original.

A seleção apropriada do arame eletrodo é crítica no processo de Soldagem a Arco Submerso, influenciando diretamente nas propriedades mecânicas e químicas do metal soldado. Essa escolha deve considerar as especificações da junta e as exigências de qualidade da solda, garantindo assim um resultado final robusto e conforme as expectativas. Importante ressaltar que a combinação arame-fluxo é um aspecto vital nesse processo, já que o tipo de fluxo utilizado afeta significativamente as características do metal depositado, exigindo uma abordagem classificatória específica para cada par arame-fluxo utilizado, realçando a complexidade e a precisão necessárias na Soldagem a Arco Submerso.

VOCÊ ESTÁ PRECISANDO DE SUPORTE PARA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO?

Portanto, se você tem interesse em serviços de soldagem a arco submerso, ou precisa apenas de um orçamento para um determinado projeto, estamos aqui para ajudar.

FAQ SOBRE SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

O QUE É O PROCESSO DE SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO?

soldagem a arco submerso

A soldagem a Arco Submerso é um processo de soldagem muito utilizado na indústria, principalmente quando se precisa de grande produtividade e boa uniformidade do cordão de solda.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS DA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO?

soldagem a arco submerso

O processo de Arco Submerso traz uma série de benefícios para a empresa. Entre eles, o alto rendimento, pois não há perdas de material por projeções ou respingos. Além disso, é possível utilizar elevadas correntes de soldagem — isso, aliado às altas densidades de corrente, gera alta taxa de deposição.

POR QUE SE CHAMA SOLDAGEM A ARCO SUBMERSO

soldagem a arco submerso

A Soldagem a Arco Submerso possui este nome devido ao fato do arco elétrico e do metal fundido permanecerem sempre cobertos por uma camada protetora de material granulado conhecida como fluxo.

QUAL É O DIFERENCIAL DA SOLDAGEMA ARCO SUBMERSO?

soldagem a arco submerso

O diferencial da solda a arco submerso é que toda a aplicação é coberta por uma camada de um material conhecido como fluxo — por isso o nome “submerso”.

O QUE É O FLUXO DE SOLDAGEM?

soldagem a arco submerso

O Fluxo de Soldagem é um produto químico utilizado na área de manutenção eletrônica, tendo papel importante no processo de soldagem, pois ajuda na remoção da oxidação.

Cansado de ler? Escute nosso artigo sobre Soldagem a Arco Submerso em nosso Podcast
maxresdefault
Confira nosso vídeo sobre Soldagem a Arco Submerso

ENTRE EM CONTATO!

Entre em contato para saber mais sobre nossos serviços.

Escolha o meio de contato que for melhor para você!

QUER CONTINUAR INFORMADO?

Gostaria de ficar por dentro de todas as novidades que pulicamos em nosso site?

Faça sua inscrição e receba nossos e-mails com conteúdos de qualidade sobre inspeção, qualificação, consultoria, engenharia e treinamento de soldagem.

CONHEÇA O GLOSSÁRIO DA SOLDAGEM

REGIÕES DE ATENDIMENTO INSPESOLDA

A Inspesolda atende em todo o território nacional. Entretanto, com sede em Osasco, a Inspesolda tem o foco de atuação no estado de São Paulo.

REGIÕES DE SÃO PAULO ONDE A INSPESOLDA ATENDE:

Grande São Paulo

  • ABC
  • ABCD
  • Alphaville
  • Arujá
  • Barueri
  • Caierias
  • Cajamar
  • Cotia
  • Diadema
  • Embu
  • Embu das Artes
  • Embu Guaçú
  • Franco da Rocha
  • Guarulhos
  • Itapecerica da Serra
  • Itapevi
  • Jandira
  • Mairiporã
  • Mauá
  • Osasco
  • Ribeirão Pires
  • Santana de Parnaíba
  • Santo André
  • São Bernardo do Campo
  • São Caetano do sul
  • Suzano
  • Taboão da Serra

Litoral de São Paulo

  • Bertioga
  • Cananéia
  • Caraguatatuba
  • Cubatão
  • Guarujá
  • Iguape
  • Ilha Comprida
  • Ilhabela
  • Itanhaém
  • Mongaguá
  • Peruíbe
  • Praia Grande
  • Riviera de São Lourenço
  • Santos
  • São Sebastião
  • São Vicente
  • Ubatuba

Região Central

  • Aclimação
  • Bela Vista
  • Bom Retiro
  • Brás
  • Cambuci
  • Centro
  • Consolação
  • Higienópolis
  • Glicério
  • Liberdade
  • Luz
  • Pari
  • República
  • Santa Cecília
  • Santa Efigênia
  • Vila Buarque

Zona Leste

  • Água Rasa
  • Anália Franco
  • Aricanduva
  • Artur Alvim
  • Belém
  • Cidade Patriarca
  • Cidade Tiradentes
  • Engenheiro Goulart
  • Ermelino Matarazzo
  • Guianazes
  • Itaim Paulista
  • Itaquera
  • Jardim Iguatemi
  • José Bonifácio
  • Moóca
  • Parque do Carmo
  • Parque São Lucas
  • Parque São Rafael
  • Penha
  • Ponte Rasa
  • São Mateus
  • São Miguel Paulista
  • Sapopemba
  • Tatuapé
  • Vila Carrão
  • Vila Curuçá
  • Vila Esperança
  • Vila Formosa
  • Vila Matilde
  • Vila Prudente

Zona Norte

  • Brasilândia
  • Cachoeirinha
  • Casa Verde
  • Imirim
  • Jaçanã
  • Jardim São Paulo
  • Lauzane
  • Paulista
  • Mandaqui
  • Santana
  • Tremembé
  • TucuruviVila
  • Guilherme
  • Vila Gustavo
  • Vila Maria
  • Vila Medeiros

Zona Oeste

  • Água Branca
  • Bairro do Limão
  • Barra Funda
  • Alto da Lapa
  • Alto de Pinheiros
  • Butantã
  • Freguesia do Ó
  • Jaguaré
  • Jaraguá
  • Jardim Bonfiglioli
  • Lapa
  • Pacaembú
  • Perdizes
  • Perús
  • Pinheiros
  • Pirituba
  • Raposo Tavares
  • Rio Pequeno
  • São Domingos
  • Sumaré
  • Vila Leopoldina
  • Vila Sonia

Zona Sul

  • Aeroporto
  • Água Funda
  • Brooklin
  • Campo Belo
  • Campo Grande
  • Campo Limpo
  • Capão Redondo
  • Cidade Ademar
  • Cidade Dutra
  • Cidade Jardim
  • Grajaú
  • Ibirapuera
  • Interlagos
  • Ipiranga
  • Itaim Bibi
  • Jabaquara
  • Jardim Ângela
  • Jardim América
  • Jardim Europa
  • Jardim Paulista
  • Jardim Paulistano
  • Jardim São Luiz
  • Jardins
  • Jockey Club
  • M’Boi Mirim
  • Moema
  • Morumbi
  • Parelheiros
  • Pedreira
  • Sacomã
  • Santo Amaro
  • Saúde
  • Socorro
  • Vila Andrade
  • Vila Mariana

ENCONTRE ARTIGOS

CATEGORIAS DE ARTIGOS

TOP 5 ARTIGOS

1- Inspetor de Solda: O Guia Absolutamente Completo!

2 – Símbolos Básicos de Soldagem

3 – Tipos de Inspeção de Soldagem: Tudo que Você Precisa Saber

4 – A Verdade Sobre Qualificação de Soldadores AWS D1.1

5 – NR-18 Progresso Importante na Segurança Preventiva

ARTIGOS RECENTES

  • Análise De Trinca Na Solda

    COMO REALIZAR UMA ANÁLISE DE TRINCA NA SOLDA E GARANTIR A INTEGRIDADE DAS ESTRUTURAS Na

  • O Que Significa Mig

    DESCOBRINDO O QUE SIGNIFICA MIG: TUDO SOBRE A SOLDAGEM MIG Mergulhar no mundo da soldagem

  • Radiografia Industrial

    RADIOGRAFIA INDUSTRIAL: O GUIA DEFINITIVO PARA INICIANTES A radiografia industrial emerge como uma ferramenta inestimável

  • Laudo de Ultrassom

    A IMPORTÂNCIA DO LAUDO DE ULTRASSOM EM INSPEÇÕES NÃO DESTRUTIVAS LAUDO DE ULTRASSOM Você já

  • Junta Sobreposta

    A IMPORTÂNCIA DA JUNTA SOBREPOSTA EM APLICAÇÕES INDUSTRIAIS JUNTA SOBREPOSTA Você já parou para pensar

Compartilhe!

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe em sua rede social preferida.

Os arquivos nesta página são protegidos por direitos autorais. Sem a autorização do autor, é proibido copiar todo ou parte de seu conteúdo, ou mesmo citar nossos links. Artigo 184 da Lei Penal, Declaração de 98-Art 9.610 como violação dos direitos de propriedade intelectual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

All in one
Fale conosco
Rolar para cima