Categorias
Inspeção

A VERDADE SOBRE ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS

O que são ensaios destrutivos e não destrutivos?

Os ensaios são procedimentos padronizados que compreendem testes, cálculos, gráficos e tabelas, tudo isso de acordo com normas técnicas. Um ensaio consiste em submeter um objeto já fabricado ou um material que vai ser processado industrialmente a situações que simulam os esforços que eles vão sofrer nas condições reais de uso, chegando a limites extremos de solicitação.

Embora historicamente tenha sido o método preferido de teste, testes destrutivos eram a única maneira de obter resultados precisos.

Com os avanços tecnológicos, os métodos de teste não destrutivos estão se mostrando precisos, eficientes e incluem os atuais métodos comuns de identificação de metais.

História do ensaio de metal

Testes destrutivos de metais existem há quase tanto tempo quanto os seres humanos foram capazes de misturar diferentes tipos de metais.

Quando decomposta, você pode examinar a maquiagem e compará-la com a de outras substâncias conhecidas para determinar a composição de um item específico. No entanto, uma parte do item usado é destruída no processo.

Mesmo para indústrias como construção e manufatura, onde existem grandes quantidades de sucata de metal, esse método é um desperdício de recursos e orçamento, porque a amostra deve ser destruída e não pode ser vendida ou reciclada.

Por ser uma maneira óbvia de testar metais, a história dos testes destrutivos de metais é amplamente desconhecida. Era simplesmente senso comum que, se você quiser descobrir do que algo é feito, precisará quebrá-lo para descobrir.

Por comparação, os métodos não destrutivos tiveram um começo muito interessante.

Diz a lenda que o antigo rei grego Hiero II (também conhecido como o tirano siciliano grego de Siracusa) encarregou Arquimedes de descobrir se sua coroa era ouro puro ou se o ferreiro o enganou e misturou o ouro com outra substância. Isso levou à compra do momento “Eureka” de Arquimedes, usando o princípio do deslocamento para provar que a coroa não era ouro puro.

Ao longo dos anos, novos processos foram desenvolvidos para examinar itens sem destruí-los, incluindo espectroscopia de emissão óptica (OES).

Teste não destrutivo

Com uma ampla variedade de métodos, existe uma maneira de testar praticamente qualquer tipo de metal de maneira discreta e não destrutiva. A espectroscopia de emissão óptica é um método de identificação de material positivo, ou PMI, que fornece uma maneira de analisar metais sem destruir o item que está sendo testado.

As principais técnicas de Ensaios Não Destrutivos (END) são:

  • Emissão Acústica
  • Radiografia, Radioscopia e Gamagrafia
  • Ensaio Visual
  • Estanqueidade
  • Líquido Penetrante
  • Partículas Magnéticas
  • Ultrassom

Prós de Não-Destrutivo

 O maior benefício dos testes não destrutivos é que você ainda mantém o item intacto e sem danos no final do teste.

 A ciência facilita cada vez mais a realização desses tipos de testes com resultados confiáveis.

 Vantajoso quando itens que são poucos ou um teste único e não destrutivo são realmente a única opção para preservar o objeto.

Contras de testes não destrutivos

Nem todo mundo pode executar com segurança testes não destrutivos. Para obter resultados mais confiáveis, ferramentas de alta tecnologia devem ser usadas e requer um especialista treinado profissionalmente para operar e realizar os testes.

Embora muitos dos métodos sejam cada vez mais acessíveis financeiramente, os testes não destrutivos geralmente custam mais do que os métodos destrutivos quando se analisam apenas as despesas. No entanto, a precisão e a confiabilidade dos resultados são praticamente as mesmas e evitam que você jogue fora uma amostra quando terminar o teste.

Para realizar os ensaios mecânicos não destrutivos, é necessária a contratação de um local especializado em ensaios não destrutivos, pois se trata de um serviço que exige muita atenção e só pode ser realizado com instrumentos calibrados e em laboratórios próprios com equipamentos de alta tecnologia

Está precisando de ensaios não destrutivos? clique aqui

ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS

Teste destrutivo

Ensaios mecânicos destrutivos é o método mais confiável ao longo dos milênios, ele tem sido usado com mais frequência. Os especialistas são bem versados ​​e seus resultados são fáceis de verificar.

A tecnologia também permitiu que o nível molecular fosse mais fácil de ver e analisar. Você nem sempre precisa de ferramentas de alta tecnologia para realizar esses testes.

Classificação dos ensaios mecânicos destrutivos

Os ensaios mecânicos destrutivos mais utilizados são classificados da seguinte forma:

  • Tração: mensura a deformação na direção do esforço aplicado (alongamento), exibindo a relação tensão-deformação.
  • Compressão: semelhante ao ensaio de tração, este é mais utilizado para materiais frágeis (ferro fundido, por exemplo).
  • Dureza: identifica a resistência do material à penetração, ação do risco, corte, abrasão e absorção de energia com aplicação de cargas dinâmicas. Em linhas gerais, sua resistência à deformação plástica.
  • Dobramento e flexão: avalia a maleabilidade do material, sendo que a deformação elástica indica a flexão e a plástica, o dobramento.

Prós de testes destrutivos

 Testes destrutivos já existem há mais tempo.

 Ele permite que você observe os itens em um nível molecular para determinar a composição exata de um objeto.

 Existem vários métodos que produzem diferentes tipos de tensão no metal para comparação com reações conhecidas dos diferentes tipos de metal.

Métodos destrutivos são normalmente usados ​​para determinar as propriedades físicas de um produto específico que será produzido em massa. Isso garante que você saiba a durabilidade de um item antes de chegar ao mercado.

Contras de testes destrutivos

A maior desvantagem de usar um método destrutivo é que ele destruirá pelo menos uma parte do item que você deseja verificar. Assim como o Hiero II, muitas empresas desejam outro método de teste que não resulte em danos ou estrague completamente um item.

Por fim, esse método é realmente apenas boas empresas com grandes quantidades e testes destrutivos podem gastar intencionalmente recursos apenas para verificar a composição.

Com muitas opções diferentes para testar a composição de um material, você deseja consultar um especialista sobre a melhor maneira de determinar a composição do metal antes de avançar com um projeto.

Se você está procurando um especialista na área clique aqui

ENCONTRE ARTIGOS

CONHEÇA O GLOSSÁRIO DA SOLDAGEM

CATEGORIAS DE ARTIGOS

ARTIGOS TOP 5

1- Inspetor de Solda: O Guia Absolutamente Completo!

2 – Símbolos Básicos de Soldagem

3 – Tipos de Inspeção de Soldagem: Tudo que Você Precisa Saber

4 – A Verdade Sobre Qualificação de Soldadores AWS D1.1

5 – NR-18 Progresso Importante na Segurança Preventiva

ARTIGOS RECENTES

CONTATO INSPESOLDA

Atuamos desde a análise de projeto a entrega do produto acabado. Solicite um orçamento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *